Se segurança é um assunto atual, a segurança eletrônica tornou-se uma ferramenta empresarial fundamental, protegendo fisicamente funcionários, visitantes e ajudando na preservação dos bens das empresas. As câmeras (CFTV) são muito aplicadas e já fazem parte do dia a dia das pessoas em todos os ambientes, algumas com os custos cada vez mais acessíveis, mas, também com tecnologias embarcadas que permitem visão noturna, dentre outras vantagens.

As catracas eletrônicas ou as atuais baias óticas, cada vez mais são aplicadas como meio físico para controlar a entrada e saída de pessoas. Diversas tecnologias podem ser utilizadas, desde leitores de cartões até sensores biométricos de impressão digital ou facial.

Atualmente os sistemas de controle de acesso que utilizam totens de autoatendimento também estão sendo cada vez mais aplicados, não só pela eliminação de filas nas recepções, o que impacta diretamente nos custos operacionais, mas também pela redução de riscos e falhas de segurança no cadastramento. A larga utilização de smartphones também alia conforto e rapidez aos sistemas de controle de acesso: o visitante recebe seu código de acesso QR Code previamente, via SMS ou e-mail, para acessar os ambientes predeterminados.

Nos prédios inteligentes, nos chamados de “AAA” e naqueles de grande movimentação de público, a economia de energia é fator primordial e, por isso, a integração dos sistemas de controle de acesso e automação predial, como a chamada antecipada de elevadores, por exemplo, otimiza a operação, trazendo conforto e segurança para os usuários.

Mas, como fazer tudo isso funcionar de maneira adequada?

De acordo com o tamanho e as necessidades, as companhias, escolas, condomínios, fábricas e todo tipo de corporação onde a proteção pessoal e patrimonial sejam fundamentais, devem procurar empresas de projetos especializadas no segmento ou até integradoras que tenham condições de desenvolver um projeto completo e customizado para cada caso.

A execução deve ser sempre através de uma empresa integradora com condições técnicas de seguir o projeto e realizar a instalação. Portanto, é importante verificar se seu corpo técnico é devidamente treinado, certificado e homologado no sistema escolhido para poder assinar um contrato de manutenção preventiva que garanta um atendimento rápido, o que se traduz em pouca ou nenhuma interrupção da operação em manutenções corretivas.

Quanto ao sistema a ser adotado, o operador ou contratante deve buscar com seu projetista ou integrador, informações se software e hardwares instalados nos equipamentos são totalmente integrados e escaláveis, permitindo que, com o crescimento das necessidades de segurança, seja possível complementar e expandir o projeto inicial para outros locais, sejam próximos ou distantes.

Uma das medidas muito importantes é pedir para visitar obras similares ou até de maior porte, visando conhecer, na prática, não só as funcionalidades da solução escolhida, mas, também, a operação e a técnica adotada na instalação e manutenção.

Qual solução? Nem a mais cara, nem a mais barata, nem aquela milagrosa dos filmes do agente britânico famoso. Esta reflexão demonstra a importância da escolha criteriosa de empresas e profissionais atualizados com as melhores práticas e as mais estáveis soluções de segurança e automação, que podem elaborar projetos customizados que tragam os reais benefícios esperados e dentro dos custos adequados, sem surpresas. Segurança não é para amadores!

Fonte: Revista Segurança Eletrônica