Nesta atual conjuntura, cujo Brasil é o nono país mais violento do mundo – de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) – dispor de uma empresa especializada em sistemas de segurança eletrônica é um fator determinante para resguardar a vida e o patrimônio.

Contudo, apenas nele existem mais de 19 mil CNPJs que possuem em sua Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) – seja ela principal ou secundária – a descrição Atividades de monitoramento de sistemas de segurança eletrônico – CNAE 8020-0/01.

E escolher uma empresa competente, idônea e que ofereça um serviço e/ou produto de qualidade, mediante a tantas, pode ser uma tarefa árdua. Por isso, antes de contratar uma empresa de segurança eletrônica, confia cinco dicas primordiais para isso.

  1. Certificação. Antes de assinar a contratação, certifique-se que a instituição está com suas obrigações legais e condições financeiras em vigência. Para isso, solicite os documentos a seguir – eles podem ser analisados de forma online:
  • CNPJ da sede e das filiais;
  • Certidão de Regularidade do FGTS (CRF);
  • Certidão Negativa de Falência e Concordata;
  • Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT) – que deve ser emitido pela Justiça do Trabalho, nos termo da Lei nº 12.440/2012;
  • Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relacionados às Contribuições Previdenciárias e às de Terceiros. 
  1. Legalidade. Verifique se a empresa admitida está enquadrada na legislação para executar os serviços ofertados. Prioritariamente, ela deve dispor das Normas Regulamentadoras 10, 33, 35 e, caso oferte projetos e/ou sistemas de telecomunicações, a instituição deve estar legalizada pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL).

    Além disso, a empresa deve estar regularizada junto ao sindicato de sua categoria, isto é, o Sindicato das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança do Estado do Paraná (SIESE-PR).

  1. Histórico. Além de esclarecer os valores, missão e visão da instituição, o histórico pode te dar uma breve percepção de sua situação financeira. As empresas pioneiras, ou que atuam há muito tempo no mercado, sobrevivem ao mercado somente quando eficientes. 
  1. Opinião. Não se esqueça de analisar e levar em conta demais opiniões feitas por outros contratantes. Contudo, suspeite de instituições que possuem apenas elogios e, nesse caso, averigue mais uma vez se suas obrigações legais e condições financeiras estão em vigor. 
  1. Preço. Desconfie de produtos e/ou serviços que detém de um preço abaixo do valor médio de mercado. Às vezes, o barato pode sair caro.